domingo, 15 de outubro de 2017

Quotes #19

" If your dreams do not scare you, they are not big enough."
Ellen Johnson Sirleaf

Com amor,
Laura

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Antes de vir para Aveiro, as únicas tripas que conhecia eram as tripas à moda do Porto, o que deixou a jovem caloira perdida no meio de Aveiro em mim a pensar que estava numa terra de doidos, visto que volta e meia via sítios que diziam que vendias tripas, até que cheguei à conclusão que as tripas de Aveiro eram "uma espécie de crepe" com algum recheio fiquei mais descansada, mas ainda estava um bocado cética, porque sou MUITO esquisita com a comida, e as tripas na altura não me inspiravam grande confiança.

Até ao dia em que tudo mudou.

Há cerca de um ano certinho, estávamos no Parque de Feiras e Exposições, no FAN (Festival Aveiro é Nosso, semana de integração, que neste ano se chama HUG, ugh...), e uma amiga minha conseguiu miraculosamente convencer-me a experimentar as ditas tripas. Gostei, a minha primeira foi boa, mas não foi assim grande coisa, mas foi suficiente para começar a gostar de tripas.

Foi no dia a seguir que tudo mudou a sério, foi com a tal minha amiga ao Fórum (as amigas dela do secundário vinham ao FAN e ela "adotou-me"), fomos comer a segunda tripa da minha vida, e o meu mundo parou.

Era de chocolate branco, e estava tão boa, que nem conseguia prestar atenção ao que elas me estavam a dizer, foi um momento assim para lá de abençoado. Ainda hoje me lembro daquela tripa maravilhosa, e quão me aqueceu o coração.

Depois dessas tripas, vieram muitas mais: a de ovos-moles que comi com os meus pais, a de Kinder Bueno que comi depois da Passeata Noturna, a tripa de Nutella que comi na noite da gala porque minha amiga não conseguia comer mais, a de chocolate de avelã que comi no TêZero (foi a  única que comi lá), e tantas outras que no Inverno me aqueciam as mãos ás tantas da manhã e que no Verão  me "queimavam" os dedos.

É por estas e por outras que já me chamaram de Rainha das Tripas, volta e meia quero ir às tripas, a certa altura até criei um grupo no Facebook para o pessoal ir comer tripas (não deu grande resultado).
Adoro tripas, são tão boas, gosto delas de forma irracional.
Mas por algum motivo, a bolacha americana ainda não me convenceu.
Oh well...

Vai uma tripa?

Com amor,
Laura

domingo, 8 de outubro de 2017

Forever in my mind

Finalmente o tinha comigo, aquele por quem eu tinha esperado desde que vim para Aveiro, talvez até antes, não conseguem imaginar  as vezes que suspirei por ele, as borboletas que senti no estômago quando o vi pela primeira vez,  e a alegria que senti ao fim da nossa primeira grande aventura.

Hoje acabou tudo, infelizmente, e não sei como irei recuperar depois da perda dele.

Descansa em paz, meu carrinho de compras das velhinhas.
Ainda não acredito que ficaste sem uma roda a dois passos de casa, e sem a outra assim que chegámos a casa. 
Que o teu substituto tenha rodas mais fortes, um saco impermeável e que também tenha um bom bolsinho para a carteira, as chaves de casa e a lista das compras .

Com amor,
Laura

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Normal Girl


You probably don’t know this, but the way you made me feel, shaped the person that I am today.

I have no idea about why I’m bringing this up now, ‘cause honestly I haven’t thought about you in months, yet, here we are.  

I just wanted to say, it took me a few years, I’m finally truly starting to love and respect myself, like I should from the beginning. It still makes me (a little bit) sad to know that we could’ve had a beautiful life-long friendship like many others, but  it does not make me feel sad enough to let go the years of (what felt like) emotional abuse go away.

 I’m starting to live my dreams, you know,  ones that you shattered when we were kids.
Oh, and the promises and the secrets that you never kept, are now nothing but repressed memories in the back of my head, so they mean almost nothing to me.

 It’s funny you know, back then, it felt like the worst felling in the world, and now ... it’s nothing.

But hey, we were kids, right?

 Kids are naturally mean to each other, right?

Putting me down was the only way of looking out for me, right?

Right?

I now forgive you (a little bit), you probably never knew other way to treat different people. 
People that didn’t act like you.
People that weren’t like you.

I forgive you. A little bit.

And I hope that someday you can forgive me too.

For not being the “Normal Girl” that you clearly were, are, will always be.

With love,
Laura
A minha foto
19 | Açoriana que cresceu em Viana do Castelo | Hufflepuff | Estudante de Marketing em Aveiro

Arquivo do blogue