terça-feira, 23 de maio de 2017

Quotes #17

 "You know, life throws these things at us, life makes us wonder if we should be less naive, less childlike, less enthusiastic, less excitable. 
These things are looked down on when we grow up. 
And I guess what I’m trying to tell you is that the way you’re dancing tonight; yes, it’s childlike and enthusiastic and excitable and it’s beautiful. 
That’s how I want you to live your life."
Taylor Swift 

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Sempre a tempo e horas - com uma pitada de opinião

Sei que já passaram uns dias, mas não podia deixar passar este acontecimento, que nem num milhão de anos esperava que viesse a acontecer, afinal de contas,  cresci a ver o contrário a acontecer e nunca vi ninguém a acreditar muito na causa, mas claro, depois de sermos CAMPEÕES EUROPEUS DE FUTEBOL no único ano em que acompanhei devidamente o acontecimento, está claro que no único ano em que não acompanhei o Eurovisão como deve de ser.... GANHÁMOS!!!

“Music is not fireworks; music is feeling. So let’s try to change this and bring music back.”
Já tinha ouvido um certo buzz em relação à musica, e a termos ido à final (o primeiro milagre), mas não liguei muito. Quando ouvi a música pela primeira vez (e todas as vezes a seguir), fiquei encantada, MAS, a equalista e a parte mais liberal de mim acabaram por ter que vir ao de cima, e acabando por estragar-me a música e por me fazer sentir culpada/mal de cada vez que me emociono com/canto/whatever a música, para vos explicar como deve de ser, concentrem-se na letra, nada mais, apenas a letra.
Amar pelos dois 
Se um dia alguém
Perguntar por mimDiz que viviPara te amarAntes de ti
Só existiCansado e sem nada p’ra darMeu bemOuve as minhas precesPeço que regressesQue me voltes a quererEu sei
Que não se ama sozinhoTalvez devagarinhoPossas voltar a aprenderSe o teu coração
Não quiser cederNão sentir paixãoNão quiser sofrerSem fazer planos
Do que virá depoisO meu coraçãoPode amar pelos dois 
Autoria: Luísa Sobral | Interpretação: Salvador Sobral
A que conclusão chegam?
Exatamente!!
O Salvador(A) desvaloriza-se completamente, pois considera que antes de B não existia, todas as suas vivências, memórias, conhecimentos adquiridos não serviram de nada, B é o norte da sua vida.
MAS, B a certa altura deixou de sentir o mesmo que A, enfim, as pessoas mudam, e seguiu em frente, uma decisão que para mim é a mais acertada, então B, em vez de também seguir em frente com a sua vida e tentar encontrar alguém novo para amar ou arranjar forma de se amar a si próprio (porque claramente tem problemas de auto-estima), decide fazer o contrário e implorar (embora de uma forma muito gira, fofinha cutxi-cutxi) a B que volte para si, que o volte a aprender a amar, mesmo não sentindo paixão nenhuma, e acreditando que B lá volta para a tal relação (na minha opinião, um bocado sem vontade), e até que B o volte a amar, o coração de A é que vai amar tudo, o que, me parece o mesmo que falar para uma parede, não sei se me consegui fazer entender.
Se alguém me aparecesse à frente e me cantasse alguma coisa do género, independentemente  de ser boa pessoa ou não, seria convidado a ir dar uma curva.
Por respeito a mim e a essa pessoa.

E é por isto que apesar de estar muitíssimo contente com o facto de termos ganho alguma coisa (no Enterro até puseram a atuação nos ecrãs e tudo, foi lindíssimo), o meu subconsciente rejeita a música.
Enfim, não tem jeito nenhum, mas é o que temos.

Com amor,
Laura

segunda-feira, 6 de março de 2017

Fui ao Carnaval de Ovar - Noite Mágica

Bem... já passou um mês (e uns dias) desde a minha última entrada aqui no blog, mas  não tem dado para mais, tenho escrito pequenas notas aqui e ali, mas nada fora do normal, então, hoje que estou de bom humor vou partilhar com vocês a minha mais recente “aventura”, que, mais uma vez, não é nada assim muito fora do normal, e juro que gostava de pôr fotografias, mas não fui abençoada com a capacidade de ficar decente de forma inesperada, enfim, vocês compreendem.
Vamos lá começar.

Fui à Noite Mágica do Carnaval de Ovar


Já não festejava o Carnaval à uns anos (os desfiles da escola não contam), porque desde o meu sexto ano que por esta altura os meus pais conseguiam arranjar um tempinho e íamos passear a algum sítio, daí já ter ido a Paris, ao Algarve (sem dúvida a melhor altura do ano para tal, se bem que dessa vez também demos um saltinho a Sevilha), Madrid, Roma, Londres e Barcelona, e no anos passado tive a minha "viagem de finalistas" com a escola antiga antiga, a Londres (e acreditem que um dia vou voltar lá), antes destas escapadelas, íamos passar o Carnaval aos Açores, e eu adorava, eram cinco dias de festa, muita água e farinha, e a minha avó fazia fatos mesmo giros para eu, o meu irmão e o meu primo para levar-mos aos bailes, enfim, eram os melhores Carnavais.

Este ano, por "forças do destino" não deu para juntar a família, eu tinha aulas na segunda-feira de Carnaval, o meu querido irmão foi a Roma com a escola (depois de muito trabalho por parte deles e dos professores para angariarem dinheiro suficiente para não ficar nenhum para trás e assim poderem todos ir), e a minha mãe não ia ficar sozinha em casa, então foi aos Açores ter com o meu pai.

Conclusão,fui festejar o Carnaval pela primeira vez em anos, saí das aulas, fui a casa, ajeitei-me pus a minha bandolete com orelhinhas e chifre de unicórnio, e foi esse o meu disfarce, nada de outro mundo, juntei-me a uns amigo, apanhámos o comboio, quase morremos com o pessoas que estava a fazer o Carnaval DENTRO do comboio, enquanto estávamos piores do que sardinhas em lata, depois para sair da estação foi outro fim do mundo, esperámos pelo resto do grupo num jardim,e depois de dar uma volta lá fomos parava Praça das Galinhas, dançámos imenso, e fiquei toda tola a ver a criatividade das pessoas que estavam lá mascaradas, tinham lá fatos que devem ter demorado semanas a fazer, estavam lá uns astronautas que tinham luzes nos fatos e tudo, uns Simpsons que estavam cinco estrelas , mas os meus preferidos da noite, que me fizeram partir a rir, e com quem eu deveria ter tirado uma fotografia, uns que foram... de saquinhos de chá !!!
Só não gostei de uns que estavam vestidos como membros dos KKK, achei uma "piada" de muito mau gosto.

Adorei, e para o ano vou outra vez, os meus amigos de Ovar já me disseram que para o ano vou nos dias todos, quero dizer que mal posso esperar, mas ainda quero fazer muita coisa antes de festejar outra vez o Carnaval, portanto... estou bem a esperar mas mal posso esperar ? Faz sentido? 
Provavelmente não.

Bem, por hoje é tudo, tenho que estudar, neste semestre não quero ir a recurso.

Com amor,
Laura

domingo, 22 de janeiro de 2017

Confissões de uma jovem Caloira perdida no meio de Aveiro #2


Que cheirinho a RECURSO.

Tenho que fazer dois, já estou pelos cabelos, sinto que não sei nada, e um deles é numa cadeira que tenho quase a certeza que só a faço para o ano que vem.

Por isso aqui, perante vós, nos respetivos ecrãs de computador/telemóvel/whatever que estiveram a usar para ler isto, no próximo semestre vou tentar não procrastinar tanto, ter os meus resumos feitos a tempo e horas, e cumprir à risquinha tudo o que aponto na minha agenda, porque isto assim não vai lá.

Mas, como se costuma dizer, o curso faz-se no recurso, foi das primeiras coisas que aprendi, ainda antes de chegar aqui à terra dos moliceiros (e das tripas!), nunca pensei que fosse tão verdade, 
Até dia 31 de Janeiro à tarde, estarei a fazer Balanços e e a ver a elasticidade de preços da procura (e muitas mais coisas, infelizmente).

Viva o Recurso.

E a lista de filmes e séries que vou ver quando chegarem as férias em Fevereiro.

Com amor,
Laura.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Quotes #16


"As I stand on this street corner and watch these two roads meet, I suddenly feel at peace. 
Maybe it’s because at my feet lies the intersection of two distinct paths merging at a point of vulnerability. 
Maybe because it’s a reminder of you and me and the blissful bond we once shared. 
Without a care in the world your arms wrapped around me to shelter me in the cold.
 Two souls kept warm by each others company. 
Two hearts dancing playfully in the rain. 
Two minds with the same thing in mind. 
You want me to be yours, and I want you to be mine.
 I don’t know maybe I’m crazy. 
Maybe time has really outplayed me. 
Maybe I stopped seeing beauty in the little things.
 Maybe I stopped appreciating the gift that life brings.
 Maybe I’m in over my head. 
Or maybe I just missed the contours of your body under the white chalk sheets of my bed. 
I don’t know maybe this is normal.
Maybe I stopped being myself after you left. 
Maybe this is all a test. 
Maybe I failed and I couldn’t clean up the mess.
 Maybe that’s why the rain suddenly feels colder on my skin. 
Maybe that’s why when I try to apologize I don’t know where to begin or where to end.
 All these things I’ve typed up in my mind and I want to tell you. 
I just can’t bring myself to hit send. Maybe I’m fucked up and won’t admit it. 
Maybe I’m a coward.
 Seems like I’ve got all the time in the world. 
Maybe I should do something about it.
 I mean, every minute without you seems like an hour. 
Maybe I’m a fool for distancing myself from you. 
Maybe that’s why I couldn’t believe that I left you because for some reason I couldn’t accept that maybe, just maybe you would have loved me too."



domingo, 8 de janeiro de 2017

Quotes #15


"I’m human, I’m not perfect. I make mistakes all the time, but I guess my job is to keep those mistakes to myself, which I’m already fine doing and just try to be the best I can be for those kids. "

Selena Gomez

domingo, 1 de janeiro de 2017

Goodbye 2016, Hello 2017


Nem acredito que já passou outro ano, ainda agora estava a despedir-me de 2015 (aqui) e a sonhar com o que 2016 me poderia trazer, sem nunca conseguir minimamente imaginar aquilo que acabaria por me dar.

Sim, em termos globais não foi uma no muito bom: Zika, presidência do Trump, a quantidade enorme de celebridades que morrerem, a Grande Barreira de Coral a bater recordes em relação à morte dos seus corais, atentados terroristas, e todas essas coisas que nos indicam que o fim do mundo está próximo, muito próximo . Pelo menos vamos entrar em 2017 como CAMPEÕES DA EUROPA, e ninguém nos tira isso (foi na final que senti pela primeira vez o coração nas mãos enquanto via um jogo, vibrei de emoção e nem ligo nada a futebol, foi um momento lindo sem dúvida).

Em relação ao meu 2016, bem… foi um ano que me vai ficar para sempre no coração, fui a Londres com o pessoal da escola “antiga” (que infelizmente acabou por fechar), fui a Madrid com o pessoal da escola “nova”, tive os dois bailes de finalistas das respetivas, fiz os exames nacionais, acabei o secundário, e concretizei um dos meus maiores sonhos, entrar no ensino superior, numa cidade que chamo com muito amor de a minha terceira casa - sendo que a primeira e a segunda são o Pico e Viana, obviamente – Aveiro, num curso que não é de todo o que eu tinha planeado no 10º ano, Marketing (Biologia Marinha era o plano original 😅), mas que me fascina de uma maneira diferente, e que, apesar de ter dois recursos onde estou batidinha sei que me vai, a longo prazo, fazer me feliz, pelo menos assim espero.

Não posso deixar de agradecer a 2016 pelas pessoas maravilhosas que conheci, tanto no trabalho que tive no verão, como nas aulas, na praxe (onde sem sombra de dúvida conheci imensa gente, que de qualquer outra forma não teria conhecido, por estar em pós-laboral), e na Marnotuna (mais uma pequenina família em Aveiro), agradeço imenso por todas essas pessoas que me aquecem o coração, e pelas desgraçadas que vão comigo comer tripas à meia-noite e que só voltam comigo a casa às tantas da manhã. Essas é que sofrem. Adoro tripas, nunca poderei expressar completamente o meu amor por tripas, tripa é love, tripa é life.

E agradeço também às pobres das minhas amigas, que aguentam os meus desvareios sem sentido, as minhas teorias sem jeito nenhum e as minhas aleatórias expressões de carinho (prepare-se que 2017 vai doer 😅).

Que venha 2017, e que seja tão bom, ou até mesmo melhor do que 2016 ❤

Com amor,
Laura